Governança para recursos naturais

O conhecimento tradicional Inuit ajudou a resolver o mistério da malfadada expedição ártica de Franklin © WikiCommons
O conhecimento tradicional Inuit ajudou a resolver o mistério da malfadada expedição ártica de Franklin © WikiCommons

Governança é como a sociedade humana gere as suas atividades económicas Não é apenas a sua estrutura hierárquica. Exceto nas ditaduras, a governança precisa do consentimento da população, que deve ser informado e baseado em ciência e / ou experiência. O "conhecimento tradicional" desenvolve-se através de observações prolongadas da natureza e transforma-se em práticas de governança através de pessoas que administram áreas há séculos, com empatia por motivações locais. Esse conhecimento holístico é difícil de replicar e, portanto, um recurso valioso. "A Ciência Moderna", que compara observações entre áreas e faz experimentação, pode conseguir evidência rapidamente, o que é importante em tempos de mudança. A gestão adaptativa pode ajudar a tomar decisões informadas, aprendendo com o que funciona e o que não funciona, de maneira estruturada.

Aves marinhas ameaçadas de extinção através da poluição, alterações climáticas, sobrepesca e capturas acidentais © Marina Rosales Benites de Franco
Aves marinhas ameaçadas de extinção através da poluição, alterações climáticas, sobrepesca e capturas acidentais © Marina Rosales Benites de Franco

A IUCN tem um processo globalmente aceite para definir o status das espécies, com base no tamanho da população e taxas de declínio. Se não houver evidências consistentes de declínio com base em dados fiáveis, uma espécie é de "menor preocupação", enquanto uma espécie cuja população madura é reduzida a metade em comparação com sua vida útil (geralmente dentro de duas décadas para aves) é considerada "Em perigo". Se for possível encontrar métodos para reverter as razões do declínio, as populações de todas as espécies, com exceção das maiores, podem duplicar rapidamente e até aumentar o número de efectivos. Dois métodos foram encontrados pelas autoridades para reverter o declínio nas populações de espécies: punições e recompensas.

Proteção e punição

A análise forense precoce do DNA exigia sangue, mas agora precisa de amostras minúsculas © Anatrack Ltd
A análise forense precoce do DNA exigia sangue, mas agora precisa de amostras minúsculas © Anatrack Ltd

A IUCN também atribui categorias a áreas protegidas, variando entre terras onde a maioria das atividades humanas é permitida a áreas nas quais o acesso é restrito. A proteção das espécies também varia em intensidade, desde a aplicação somente durante a reprodução até a proibição da morte sem exceções; Os interesses dos "direitos dos animais" até pretendem proibir a manutenção de animais. As leis de proteção são bem sucedidas se tiverem apoio público e as violações forem facilmente detectadas, por exemplo, com análise forense de DNA. A proteção é menos eficaz se as espécies causarem danos consideráveis ​​às comunidades locais, especialmente se as brechas forem facilmente ocultadas. Restrições e punições draconianas, que não impedem os infratores se o risco de detecção for baixo, podem alienar as comunidades locais.

Recompensas e restauração

Certificação de plantas selvagens pela FairWild Initative © Traditional Medicinals Inc
Certificação de plantas selvagens pela FairWild Initative © Traditional Medicinals Inc

Onde os animais causam problemas, permitir alguma gestão ganha apoio da população local. Manter e restaurar ecossistemas requer esforços locais por longos períodos. A aplicação de leis não é suficente para garantir o esforço necessário e as restrições à gestão da fauna podem impedir esse esforço. No entanto, se as espécies selvagens tiverem valor, e puderem ser usadas de forma sustentável "para atender às necessidades e aspirações das gerações presentes e futuras", as comunidades irão conservá-las, a não ser que a agricultura seja mais rentável. Para preservar espécies muito problemáticas, as recompensas funcionam melhor que a coerção. Obter carne e vender direitos de caça onerosos pode ser um incentivo forte, assim como a observação da vida selvagem, onde o turismo pode dar valor local sem prejudicar os ecossistemas. Outros incentivos para para a conservação são o pagamento por parte do estado pela aplicação de melhores práticas ou custódia de locais. Também é bom usar produtos naturais certificados mostrando que seu uso é sustentável. O mais importante e recente acordo internacional para a conservação da natureza, a Convenção sobre Diversidade Biológica, menciona o uso sustentável cinco vezes mais do que menciona proteção.

Governança adaptativa

A boa governança deve adaptar-se às mudanças nas circunstâncias e evidência. Por exemplo, uma espécie abundante o suficiente para ser usada de maneira sustentável pode tornar-se rara e precisar de proteção, mas somente até que sua abundância seja restablecida. De modo a que o uso sustentável e os seus benefícios possa motivar a conservação de seus ecossistemas novamente. As pessoas, de outras comunidades, podem se opor ao uso sustentável se a espécie se tornar um ícone de proteção ou turismo, ou se o ganho económico for obtido pela procura no mercado interno. Pode haver necessidade de restrições e monitorização detalhada que a comunidade local não consegue realizar sem auxilio. No entanto, aqueles que apreciam e gerem a terra onde vivem normalmente têm uma capacidade mais prática de conservar a "sua" natureza, (se orientados com cuidado) do que aqueles que desejam proteger a vida selvagem de outras comunidades. A boa governança envolve, então, a criação de leis que possam promover a conservação por meio de melhores práticas e permitir que as pessoas locais beneficiem e de forma sustentável. O Conselho da Europa adotou cartas que invocam esses princípios; A Convenção sobre Conservação de Espécies Migratórias trabalhou para as aplicar no programa Raptors MoU.