Vida selvagem e a saúde humana

Arte do vírus COVID-19 a partir de imagens em microscópio electrónico. © Shutterstock/Midnight Movement
Arte do vírus COVID-19 a partir de imagens em microscópio electrónico. © Shutterstock/Midnight Movement

A vida selvagem contribui para a segurança alimentar e meios de subsistência de muitas comunidades locais no mundo. No entanto, é importante comer carne de uma maneira que seja segura para a saúde humana e também sustentável para as populações animais. O COVID-19, como o Ebola, é causado por um vírus que chegou ao ser humano através de outros animais. O COVID-19 provavelmente teve origem em morcegos e pode ter infectado outros mamíferos selvagens antes dos seres humanos. Vírus e bactérias chegaram aos seres humanos de outras espécies ao longo de nossa evolução. Durante a evolução, isto por vezes era benéfico. Na realidade, partes de nossas células eram originalmente bactérias independentes. No entanto, o processo de adaptação pode ser lento e perigoso.

O risco de morte por COVID-19 é mais alto para humanos com mais de 60 a 70 anos de idade. Tentar salvar vidas causou grande pressão sobre os serviços médicos em países com economias avançadas e está começando a fazê-lo nas economias emergentes. Haverá consequências para a conservação. Um dos efeitos será dano generalizado nos meios de subsistência, com a compensação feita pelas pessoas que usam mais recursos, nem sempre de maneira sustentável. No entanto, também pode haver efeitos benéficos para a mudança climática, pois as pessoas aprendem a trabalhar a partir de casa e usam menos combustível fóssil em viagens distantes.

 

Soluções duradouras

Os primatas são extraordinários de observar mas perigosos para comer.© Shutterstock/Julian Popov
Os primatas são extraordinários de observar mas perigosos para comer.© Shutterstock/Julian Popov

Existem etapas a serem seguidas para o futuro e no presente. Precisamos pensar com muito cuidado, para evitar danos ao meio ambiente e a nós mesmos. Por exemplo, algumas pessoas dizem que o COVID-19 é uma razão para os humanos não comerem outros animais, ou mesmo interagirmos com eles. No entanto, os seres humanos têm vindo a adaptar-se a vírus e bactérias de animais selvagens e domésticos ao longo de milénios. Nossos corpos contêm muitos microrganismos, sendo a maioria úteis para nós. Interagimos com animais, independentemente do que façamos. Desde larvas no solo, onde os bebés gatinham, até pássaros e mamíferos visitando as nossas casas. No entanto, qualquer alimento da natureza precisa ser saudável e gerido de forma sustentável.

Nesse sentido, precisamos ter um cuidado especial com espécies estreitamente relacionadas connosco. As doença epidémicas parecem não ter início em animais de sangue frio, como peixes e répteis, mas o risco é alto para algumas doenças transmitidas por primatas e morcegos. Parece sensato não comer primatas e minimizar o contacto com os morcegos e os seus excrementos. É muito insensato, além de desumano, levar mamíferos selvagens vivos para o mercado de alimentos. No entanto, devemos nós proibir a iteração com outras espécies às quais já estamos adaptados ou que não criam risco de doença? Não. Isso também seria insensato, especialmente quando o uso regulado e sustentável incentiva as pessoas a viver em conjunto com as espécies e a conservar seus ecossistemas. Além disso, é nestes períodos de danos às economias que se geram pressões ao desenvolvimento que podem danificar o meio ambiente. A natureza precisa de todo o apoio que possa receber de pessoas que valorizam os produtos de ecossistemas saudáveis.

 

Soluções imediatas

COVID odeia sabão! © Shutterstock/Red Confidential
COVID odeia sabão! © Shutterstock/Red Confidential

Imediatamente, o mais importante é não espalhar o vírus, infectando outras pessoas. O conhecimento da biologia do COVID-19 diz-nos que, se o vírus não puder disseminar-se entre as pessoas, em superfícies húmidas ou em gotículas de água, será extinto localmente. Portanto, cada um de nós precisa:

• Lave as mãos e desinfete as superfícies para impedir a transferência do vírus para os olhos, nariz ou boca;

• Mantenha-se distante de pessoas, para reduzir o contato com o vírus nas gotículas que expiraram;

• Não viajar ou reunir-se em grupos, o que aumenta esses dois riscos.

Além disso, a lavagem das mãos é uma medida inteligente sempre que interagimos de perto com a natureza. Isto torna-nos mais seguros contra muitos micróbios, parasitas e toxinas naturais. Quando a segurança for reposta, precisamos também de aprender lições sociais úteis. Vemos que as sociedades podem ajustar-se rapidamente às mudanças, que podem ser necessárias para reverter as mudanças climáticas. Também observámos o custo de não atender a avisos baseados na ciência.